sábado, 12 de agosto de 2017

Nem ele próprio sentiria necessidade de tantas explicações!...


FALHAR PODE CUSTAR CARO

«Só aos 86 minutos o Sporting conseguiu colocar-se em vantagem frente ao defensivo V. Setúbal. O leão foi salvo por Bas Dost, o holandês sobre quem foi cometido o penálti, que não falhou na hora da verdade. A materialização da merecida vantagem tardou demasiado a uma equipa que teve mais de meia dúzia de oportunidades. A diferença entre quem ganha e perde campeonatos faz-se nestes momentos. Em quem marca. Em quem sabe ganhar sem jogar bem. O que até não foi o caso: o Sporting foi muito superior ao adversário. Mas falhar pode custar caro. Os leões ontem falharam muito mas não no momento certo.

Jesus tem em Agosto um mês complicadíssimo. Gerir esforços, expectativas e impactos desportivos na equipa será determinante para o sucesso da época. É importantíssimo para o clube entrar na Liga dos Campeões, mas sem que isso coloque em causa a Liga, o maior objectivo esta época. É esse o jejum que os adeptos querem matar, por muito que os milhões vindos da Europa sejam vitais à saúde financeira de um emblema que hoje já investe à grande português.

As vitórias de ontem e na Vila das Aves são determinantes num projecto que pretende ser campeão e fazer o melhor possível na Europa. Os triunfos trazem confiança. Falta o hábito de ganhar ao Sporting. É assim.»
(Bernardo Ribeiro, Saída de Campo, in Record)

Não me custa absolutamente nada concordar na generalidade com Bernardo Ribeiro: o Sporting é, hoje por hoje, incomparavelmente superior à esmagadora maioria das equipas que vem defrontando a nível doméstico e a uma boa parte das equipas que lhe tem cabido defrontar nas competições europeias, mas falta-lhe o "danoninho", aquele pequeno "pormaior" a que chama "o hábito de ganhar". A cultura de vitória ainda está verde, muito verde para a ambição dos adeptos sportinguistas. Jorge Jesus tem-se esforçado por conduzir a equipa a esse "upgrade", mas o tempo passa, já vai na terceira época em Alvalade e, tirando uma mão cheia de jornadas na primeira época, continua sem ser capaz de introduzir no colectivo por si liderado algo que, com o devido respeito, BR terá esquecido ou menorizado: não o plano B, ou C ou até D, mas o plano I, o plano da imprevisibilidade!...

Tudo aquilo que o Sporting apresenta na quase totalidade dos jogos que disputa, seja em Portugal seja na Europa, é previsível. E, particularmente a nível doméstico, é quase confrangedor como os técnicos que lideram as equipas que tem de defrontar, embora a anos luz da qualidade e talento existente na equipa leonina, já lhe conhecem de ginjeira e a tal ponto todos os cristalizados segredos, nuances e vícios tácticos, que a sua equipa já aparece amarrada antes do pontapé de saída.

Ontem foi apenas e tão só mais um irrefutável exemplo: uma equipa frágil e pequena que, pelo que demonstrou ontem em Alvalade, terá provavelmente muitas dificuldades em assegurar a manutenção no primeiro escalão, foi capaz de "fritar o juízo e a paciência" a um treinador que teve de roer as unhas até ao sabugo para alcançar os três pontos.

E haverá no meio deste complexo e difícil contexto uma coisa que me preocupa e que dá a ideia de também preocupar Jorge Jesus: a solução parece estar algo distante, quiçá para além das suas reconhecidas capacidades! Se tal não se apresentasse como gritante realidade...

Nem ele próprio sentiria necessidade de tantas explicações!...

Leoninamente,
Até à próxima

7 comentários:

  1. Pois... até podemos concordar... Mas, tirando certas e determinadas, e honrosas excepções , que nos colocam as dificuldades próprias e bonitas do futebol, não temos, pelo menos em Alvalade, equipas que venham jogar futebol - como nos campos dos... 'donos'... Ora, se nem em Barcelona ou Madrid, os 'dream teams' conseguem, às vezes, por que raio ao SPORTING é sempre exigida a perfeição...?

    Por'maiores' talvez?!?!?!

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  2. Ja agora e Penalti ? bernardo ribeiro diz que o Sporting mereceu ganhar , mas
    assim nao ,o Penalti e inexistente ,o resto e conversa !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó luis.garcia garcia, parece que entre nove ex-ábitros que emitiram a sua opinião nos diversos OCS, Pedro Henriques, Duarte Gomes, António Marçal, Pinto Correia, Jorge Faustino, Marco Ferreira, Jorge Coroado, José Leirós e Fortunato Azevedo, nem um único revelou semelhante e COMPLETA CEGUEIRA! Todos eles se pronunciaram pela existência das razões necessárias e suficientes para a existência de pénalti, todos eles acentuando que houve um outro pánalti, cometido aos 33' sobre Coates, que nem o árbitro nem o VAR, terão sido capazes de o assinalar. De modo que será mais do que certo que não seja apenas cegueira o que o estará a acometer a si! Talvez um desagradável princípio de demência. Será Alzheimer, ou pura imbecilidade?!...

      Eliminar

    2. Vou tentar ir fazendo um apanhado dos lances polémicos nos jogos dos três grandes ao longo da época.
      www.3grandesnaliga.blogspot.com

      Eliminar
    3. Boa...e não esqueça o pênalti não marcado por falta do Venâncio sobre o Coates...
      SL

      Eliminar
  3. A melhor, se fosse preciso, prova de que o pênalti existiu é a justificação dada, na primeira pessoa, pelo 'choco fritte' em causa...

    "...se fosse aos 70 (minutos) ainda compreendia..., aos 86 acho uma...." Bom ó coisinho, vulgo PALHAÇO, (desculpa lá mas não me lembro da tua graça) mas diz-me lá, sem te rires, ... Fizeste falta ou não??? É que se não fizeste por que raio é que compreendias se tivesse sido aos... 70...???? Tem... graça... É que para mim o cronometro não conta... É uma questão de princípio... sabes!!! (aconselha-te com um qualquer dicionário para veres a definição do termo...)

    SAUDAÇÕES LEONINAS

    ResponderEliminar
  4. Em primeiro lugar desejar um bom dia a todos os sportinguistas. De certeza absoluta que devo perceber pouco de futebol mas penso que o nosso modelo de jogo está esgotado, aliás já estava na época passada. Tudo é previsível e nós na bancada a assistir ao jogo sabemos quase sempre os próximos movimentos do jogo e para onde vai a bola. Ora se nós já sabemos o que vai acontecer e somos simples adeptos de bancada é tudo muito mais fácil para as equipas adversárias que tem gente que anda no futebol à muitos anos. Mas desejo do fundo do coração estar errado. Mas quando vejo pessoas dizerem que fizemos uma boa exibição tenho de chegar à conclusão que não percebo nada disto. Resta-me continuar a fazer parte dos quarenta e tal mil que vão ver todos os jogos e continuar a apoiar sempre a equipa.

    ResponderEliminar

PUBLICIDADE